Educação com foco na carreira e no mercado

Liderada por duas jovens empreendedoras de Sete Lagoas, a DNA da Educação surge como a
primeira aceleradora digital de carreiras protagonistas para educação

Atrair mais alunos para dentro das instituições privadas de ensino superior, gerando mais retenção e captação de estudantes nas escolas, e agregando mais oportunidades reais de inserção e empregabilidade no mercado de trabalho para quem está se formando. Esse é o foco da DNA da Educação – primeira aceleradora digital de carreiras para a educação.

Criada em 2017, pela relações públicas Fernanda França Verdolin, especialista em Marketing Digital e Educacional, com mais de 16 anos de experiência nas áreas de marketing e vendas com foco em CRM, a startup surgiu com o objetivo de ser um braço comercial de um sistema de CRM educacional. “Em parceria com a Rubeus, empresa especializada em plataformas para instituições de ensino, desenvolvi a Máquina de Receita Educacional Previsível com uma linha de soluções inovadoras para captação e retenção de alunos. Porém, percebi que essas estratégias de marketing educacional atingiam seus objetivos de gerar mais matrículas e receita nas escolas, mas não avançava na retenção e inserção desses alunos no mercado de trabalho”, explica Fernanda.

Após realizar consultoria pela YouUp, plataforma virtual de coaching que motiva o protagonismo de carreira, Fernanda percebeu que a DNA da Educação precisava redefinir o foco do seu negócio. Criada pela psicóloga Elzí Campos – PhD em Carreiras Protagonistas e Educação Empreendedora e mestre em Desenvolvimento Profissional e Competências pela Universidade de Brasília (UnB) – a YouUp se fundiu à DNA da Educação e as empreendedoras
viraram parceiras em um novo negócio. “Criamos a primeira aceleradora digital de carreiras para a educação, que conecta as três pontas da formação superior – o aluno, a escola e o mercado de trabalho, este, por meio das empresas”, explica Elzí.

Formação assertiva, profissionalização mais dinâmica e efetiva

Para o aluno, a DNA da Educação auxilia e dinamiza o desenvolvimento da carreira protagonista, por meio de uma aba específica que oferece ferramentas como Currículo do Futuro – que detalha o perfil comportamental, aprofundando em aspectos como personalidade e valores. Também possibilita um monitoramento acadêmico mais criterioso, que indica as competências que são tendências na área de atuação pretendida. Com isso, o sistema disponibiliza um perfil para escola e empresas que destaca as experiências profissionais e acadêmicas e projetos relevantes do estudante. “Através da educação de carreira e da visibilidade das forças do perfil comportamental, do desempenho acadêmico e do alinhamento e desenvolvimento do grau de afinidade desse usuário com seus cargos
profissionais de desejo, entregamos uma plataforma que orienta o aluno na preparação adequada para o mercado de trabalho, agregando potencial de empregabilidade”, conclui Elzí Campos.

Já as instituições de ensino superior se beneficiam com a entrega de indicadores de empregabilidade dos alunos (geral e por curso), o monitoramento de egressos integrado ao LinkedIn, além de um banco de dados com informações sobre interesses de pesquisa, atuação e referências relativas às experiências do estudante no mercado. “Isso agrega aumento na competitividade dessas escolas, pois gera um processo de captação e retenção de alunos mais sustentável, assertivo e evolutivo”, avalia Fernanda Verdolin. Ao acessar o grau de empregabilidade de seus alunos, a escola consegue direcionar melhor as inovações e ações de melhorias nos cursos, ofertando uma formação profissional alinhada à demanda real de mercado.

“No caso das empresas, a terceira ponta desse circuito de formação superior, o DNA da Educação possibilita mais eficiência nos processos de recrutamento e seleção de talentos universitários. É como se fosse um LinkedIn universitário, no qual o empregador tem acesso ao sistema ao firmar um convênio de estágio com a escola, conforme a Lei 11.788/08, e busca perfis compatíveis com a vaga ofertada”, pontua Fernanda. A aba voltada para as organizações de mercado permite a criação de vários filtros conforme os critérios definidos para as oportunidades de estágio e emprego. A ferramenta dinamiza e reduz custos com os processos de recrutamento e seleção e possibilita contratações mais eficientes.

E de onde vem a receita que gera a sustentabilidade do negócio DNA da Educação? Das escolas, que pagam para implantar o sistema, e das empresas, que firmam convênio com as instituições de ensino para acessar a plataforma. “A aceleradora entra como mais um benefício da escola ao aluno. Junto, esses dois atores passam a contar com conteúdos e achados científicos de ponta, além de práticas de desenvolvimento profissional bem reconhecidas pelo
mercado. Trata-se de um programa completo de desenvolvimento e autogestão de carreira, baseado nos dois eixos do autoconhecimento: o soft skills (competências relacionais ou humanas, como criatividade e mentalidade empreendedora) e o hard skills (competências técnicas da área de formação).

Solução diferenciada, inovadora e pioneira no Brasil

Ao reformular a DNA da Educação, Fernanda e Elzí introduziram no Brasil uma proposta educacional diferenciada, inovadora e pioneira que, no exterior, já é amplamente aplicada. “Nosso projeto visa potencializar a formação superior para concretizar carreiras”, enfatizam as empreendedoras. O grande diferencial da aceleradora é que ela entrega um mapeamento dos principais cargos relacionados aos cursos superiores do Brasil, tanto para tecnólogos
quanto para licenciados e bacharéis.

“Ou seja, gera um sistema inteligente que indica ao aluno as atividades profissionais do mercado mais compatíveis com seu perfil, ainda durante a formação superior”, destaca Elzí Campos. Já as escolas passam a contar com uma ferramenta que orienta no desenho das ofertas de cursos, alinhadas às expectativas dos estudantes e às demandas das empresas. “Nesse momento em que estamos entrando com uma nova proposta de aceleração de carreiras protagonistas, disponibilizamos um sistema muito focado na graduação. Mas já temos um planejamento de expansão da plataforma para o ensino médio e a pós-graduação”, diz Fernanda Verdolin.

Em menos de um ano, a DNA da Educação já alcança seus primeiros avanços. Há quatro meses, a aceleradora digital de carreiras protagonistas está em validação por oito instituições de ensino superior de referência no Brasil, em diferentes estados, pelas quais a ferramenta está sendo usada por cerca de cinco mil estudantes e 500 empresas de mercado conveniadas a essas universidades e faculdades. “Trata-se de um sistema de base tecnológica cuja etapa de
testes e validação é imprescindível. Por isso, temos que rodar a plataforma nas escolas para coletar feedbacks que visam aperfeiçoamento e melhorias que, por sua vez, vão gerar escalabilidade à solução”, esclarece Elzí Campos.

Outro progresso está na parceria com o grupo Kroton Educacional, líder no setor de educação superior privada no Brasil, firmada há dois meses. Por meio dela, a DNA da Educação vai escalonar a produção de conteúdos próprios voltados para a educação de carreira. “Esses materiais que elaboramos e disponibilizamos gratuitamente ao aluno, no ambiente online da aceleradora, representam outro diferencial que tem atraído o interesse dos cursos de ensino à
distância (EAD)”, acrescenta Elzí. A solução também tem sido reconhecida pelas lideranças do setor educacional brasileiro – a dupla foi convidada para ministrar a palestra Ciência do Protagonismo, conectando a educação com o futuro do mercado de trabalho no Programa para o Desenvolvimento de Empresários e Executivos do Setor de Educação (Prodeese 2018),promovido pela Hoper Educação há oito anos, outra instituição de referência no setor de
ensino superior, no final de junho. A própria DNA da Educação se apresenta aos estudantes como um case inspirador de empreendedorismo. O sistema é resultado da atitude de duas jovens mulheres inovadoras que
se uniram para evoluir em seus projetos – DNA da Educação e YouUp – integrando e potencializando as respectivas especialidades profissionais, e dando uma lição empreendedorismo colaborativo. O objetivo é que esse trabalho se torne referência no Brasil, pois trata-se de uma nova metodologia que Elzí Campos começou a formatar em seu
doutorado e vem validando e aprimorando por meio das duas startups. “A Ciência do Protagonismo de Carreiras é uma nova área de estudo que estamos desenvolvendo a partir de uma dor que identificamos no setor de ensino superior e no próprio mercado de trabalho”, diz a especialista Elzí que, este ano, iniciou um novo projeto que vai registrar essa metodologia: a produção de um livro em coautoria com uma equipe de especialistas da área de ensino
superior e da UnB. O lançamento dessa publicação está previsto para novembro de 2019. Mas esta é outra história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *